o não-lugar do sempre-lá

por muito pouco não sou cão:
                 sigo pegadas de vento
                 e tenho a fuça entretida na noite viva dos teus pelos

         vagarosamente me enredo
                         talvez do gato gesto que imito
e olho teu silên
                           cio existindo
                           entre os vetores confusos da pele

me lembro daquela ameixa que inaugurou em mim qualquer coisa:



                                                                           de lá ela imita o existir singular de todas as demais

                                                                           ameixas - acidentais


ou

                                                           necessárias
                                                                           que crivam minha deriva
                                                 em uma constelação de fragmentos
                              sem aparente relação

                               


                                                                        








                                                                      mas com a paciência do musgo

                                                           

                                   




























































































































































































































































































































































































































































































































































































































                       

                                      perco de vista o mistério


                 sorvido no ventre calado


         do instante jamais desen


                                 cadeado

prelúdio

meu olho dança nos dentes do sol:
                               procuro a morte terna 
                                             nos cigarros e no amor.

caminho entre os meus próprios escombros

                trago nas mãos as linhas do meu fado
                               - devo seguir pelos crisântemos
                                             ou solfejar o imponderável?

           o animal vespertino canta um verso branco

        sua voz de sangue desliza sobre o tempo
                    atravessa os corpos no sonho
e no âmbar do sonho plasma o hino:

                              quando a poesia for possível

                       os homens estarão todos dormindo
              pássaro e máquina maculando os lençóis da aurora 
                             consagrarão cálculo 
                                                                    & 
                                                                       sêmen
                                    
....jamais haverá noites o bastante.

- ou mais uma vez é setembro

I

venho
tenho cavalos nos cabelos
atravesso a sala
você me diz cânfora
e azeite
bebo
choro
em avançado estado de alga
extraio o silêncio de cartas não escritas
e adormeço

você beija meus olhos
- pendurei meu escafandro,
diz no meu sonho
aquele que sou eu
e que se despede

II
venho
volto de um longo passeio
tenho as frontes úmidas
os olhos surrados por lírios

- me acarinha, eu digo
me dorme
cobre meus pés
pés de astronauta 

de menor abandonado
tenho cinco anos, sou um menino de rua
e sonho
- ou mais uma vez é setembro

III

um ínfimo desequilíbrio
me torna impossível
por isso venho
desde meu primeiro grito
e não anseio outra coisa que teu corpo
tua lágrima



2012

canto veloz à cidade

                                        vos saúdo sarjetas imundas,
                            que jamais me abandonaram!

         máquina mordaz que nos encerra, te devolvo a indiferença
                                      com que tu nos acalanta
                                                           em noites de pedra!

                 te ofereço minha bile e meu trinado escasso
                                    e todas as noites te brindo,
                          relicário ignoto de ofícios batidos em papel carbono e
                                                     merda!                
              que meu mudo esgar ecoe por tuas artérias podres
       como um pássaro decepado
                                      para que, levantados do pó,
                 meus irmãos comigo dancem
                                                                      até que não haja senão
          música em todas coisas!
                                        música em todas coisas!

azul exílio

miro [e meus olhos são escunas
                 famintas de horizonte]


          um onde sem nome,
          lugar sem aqui

                   aceno de lá para mim
                       e me chego azulado

        cá eu no cais [venta
        um véu de nuvens]


               tenho raízes movediças
                       e mãos frias. cativo

      do ocaso, desenho
esta bandeira:

           no arremate entre dois infinitos
                  o sol me devolve o riso.

retrato

os dentes do vento no pescoço de helise a farpa do corpo no vento sem nome lugar resina ou foda-se fazia frio não me lembro frio é um nome oco aquilo na tua pele que te queima ou excita é uma poeira mais leve uma farpa
                                                       um fiapo
                                                                       um fio

jamais estarei pronto para tua carta. ou para tua boca.
                 mas o mundo nos fodendo não me roubará o encanto de ver pela primeira vez as tuas tetas
tua ferida
              a solidão de nos saber desencontrados como membros sem um corpo

choramos certa vez pelas pombas do terminal
                                             sujas e mutiladas
hospedamos os fantasmas do pó
mas caídas as caras das cabeças
nos olhamos estranhados
e ainda ali estávamos
úmidos
            complementares
                                             vejo ainda:
         dissolvidos no ruído como grãos
nossas mãos buscando um gesto pífio
           e  nossas bocas como âncoras:
                                                              sorriem!

fotograma

lá onde as formas vacilam
mal delimitados corpos 
dançam a voz da matéria

quando há festa
mesmo a fuligem
cintila

galo

quão difícil é um galo

fere a primeira estrela
tramado em sangue e nuvem
como se no fio dourado de seu grito
girasse a roda faminta dos dias.

um galo o que é
senão a linha de um embate
ou as curvas de um fado?

canto sob o sol

tento puxar os cabelos do sol


mas a palavra é mais densa que o vento
         por isso meus versos caem


                      um


                                          a


        um


no opaco abismo


                                  da página



vejo subirem teus ramos
              no vértice da janela;


                                      o gato não dorme:
                                       pedra-se


                                   pois sabe mais a pedra
                                   do que não permanece,


                                                         e a presa
                                                   não suspeita
                                      um predador

inerte.

canto à espera do sol


 te apresento meus braços.
                       estão atados.
                       piso sobre as farpas de um inverno renitente.
                                               e espero o sol.

nada
menos.

                            um buraco;
                            uma órbita sem olho;
                            um crânio sem nome;
                            um nome sem dono;
um sorriso puxado pelas garras da terra:

                                           vejo os cavalos,
                    mares de cavalos negros migram,
            e uma revoada de fuligem e guardanapos velhos
                                             borra um céu sem promessas.

      setembro se foi
                                   como a pétala de cobre que esquecemos sobre as cinzas.
           ou se foi gerânio
           já não é.

outras postagens

Arquivo do blog