desvairismo



"Não fujo do ridículo. Tenho companheiros ilustres"

(mário de andrade, no prefácio interessantíssimo)
"nosso sangue está na moda:
esperamos a última foda
lambemos os olhos
e deciframos a morte"


(da aline zouvi, por aqui.)

manifesto

a classe poética reivindica para si
o direito de ter
preguiça

são carlos, novembro de 2011.

meditação de julho

mamãe
por que essa bola que a gente pisa é tão triste?

é por que ela dança sozinha
nos pés da gente a coitadinha

mas mamãe
e quando ela cansar
e fugir da gente?

a gente pisa um no outro, meu filho
para o que já ensaiamos o bastante

no que o menino foi soltar papagaio

são carlos, 2011.

plano sequência

1 a menina acorda
no meio da menina a noite
acorda o cão

2 o cão olha o preto
da noite no meio da menina

3 o cão sente o amargo
da menina no meio da noite
na língua

4 o nome do cão é sem nome
o da noite é sem menina
o nome da menina é menina

5 a noite avança e cede
no meio do cão
a menina dorme

campinas, janeiro, 2012.

com os olhos da Hilda



"Como me sinto? Como se colocassem dois olhos sobre a mesa e dissessem a mim, a mim que sou cego: isto é aquilo que vê. Esta é a matéria que vê.Toco os dois olhos em cima da mesa. Lisos, tépidos ainda (arrancaram há pouco), gelatinosos. Mas não vejo o ver. Assim é o que sinto tentando materializar na narrativa a convulsão do meu espírito."

(Hilda Hilst)

caspa

a todos os poetas que já mancharam guardanapos com versos espúrios:
a morte,
ou menos:

uma leve ressaca moral
algumas dúvidas tenazes
suores nas mãos
pigarro e

caspa.

das gaivotas

não é o bastante a lua luzir
ela deve dançar

a matemática forjou a lua
as leis do mercado a supõem

a lua deve ter o comprimento da vida
e o tamanho dos dedos dos pés

a fécula lunar fecunda o atlântico
enquanto as gaivotas defecam no lixo

na mercearia

come metafísica, menina
come metafísica

olha que não há
chocolates
na mercearia

come metafísica

a casa azul

a casinha guarda do azul
os modos de entardecer
as curvas do nome
a tendência ao musgo

e como que me atém bordado
ao seu contorno alegre
à superfície porosa
com que acarinha o vento

quando anoitece
fica um halo velando a casinha
qual regalo que o dia deixasse
de agradecimento

tempo de amoras

a menina colheu meus olhos
pousados num bem-te-vi
devia de ser domingo
por que as formigas não saíram
e tinha música nas casas

avenida das amoreiras

o nome dele é uma ferida
o dela é um olho aberto
o deste aqui é um arquivo morto
o daquele
um ornamento

o nome do homem ao teu lado
é homem ao teu lado
o do esquecido sob a pele
é segredo

o nome de batismo dela
toca com a ponta da música
o nome da sua amada:

escurecida de paixão
debaixo das amoreiras
enquanto as avenidas choram
"Como se de súbito tivesse caído em águas muito profundas, (...) não posso nem firmar meus pés no fundo, nem nadar para me manter à tona."

(descartes arriscando um tchibum. tradução do bento prado jr.)

nós

fazemos coisa de nós
que desfazemos nus

fazemo-nos

prescrições para uma tarde besta

I

para errar o caminho de casa
é obrigatório o uso de conchas
na falta de conchas
recomenda-se casca de lápis

II


os pés devem tocar o erro

mas apenas de resvalo
para  não perder a displicência

III

é facultativo o porte de resmungos

IV


se começar a chover
cante

V


para  melhor aproveitamento das aves
deve-se ficar um pouco poeta
mas não muito

VI


a voz de uma cigarra
pode te colher uma orelha
sem aviso prévio

VII


carrapatos se reservam o direito
de pegar carona nos pentelhos

VIII


em caso de ingestão de amoras
torna-se compulsório cantar
ficando-se sujeito a soluços
de acordo com o  grau de silêncio

IX


a título de lesma
fica  vetado pensar em palavras
terminadas em “íssimo”

X


os gatos no caminho são cortesia
a preguiça puxava um cão
pelo assobio

a ladeira deitava para a preguiça passar
e cumprimentava o cão

acenando
os postes

cena, agosto

08/2011
I
um homem olha suas próprias mãos enquanto move-se a esteira sobre a qual ele se debruça de quinze em quinze segundos para girar um parafuso após outro. a menos de um quilômetro dali, um outro homem suspira amaldiçoando os papéis sobre os quais se debruça de quinze em quinze segundos para assinar seu nome sobre uma linha negra. no mesmo instante em que as sirenes assustam um gato de nome raimundo, as pombas defecam e recolhem-se para seus ninhos, uma criança nasce, uma lagarta passeia nos cabelos de uma menina, e a sombra da figueira no quintal de um asilo projetada na janela principal forma um ângulo de noventa graus em relação ao solo.  
II
as mãos, suadas sob uma grossa luva de borracha eram  vaga lembrança num parque onde aprendera com seu pai a fazer barcos de papel. as folhas sobre a mesa, lívidas e mortas, representavam para o outro homem sua porção mais viva, sua carne: a consistência de seu ser era, afinal, medida pelo volume de papel acumulado nas prateleiras de seu escritório.
o nome da criança que acaba de nascer naquela ambulância é raimundo. uma pomba abocannha uma lagarta, e quando a sombra da figueira marca o exato instante em que o relógio cuco da sala do asilo marca seis horas, uma menina volta correndo para casa chorando e remexendo nos cabelos em pânico.
III
as mãos do homem despedem-se das luvas e voltam para os bolsos.
os papéis voltam para os envelopes reutilizáveis de correspondência interna do banco.
raimundo tem exatos 3,5 Kg, e seus pais estão contentes.
a menina conta para a mãe que uma pomba roubou sua lagarta.
uma senhora fecha seu livro de orações e pensa em goibada.



08/2012
I
cresce a tarde como uma goiaba
e é como se pescasse
nos peixes
o mar

II

a farinha pobre de um domingo
respingou na lâmpada

III

noiteluziu

outras postagens

Arquivo do blog