fuga de areia

abandonando as linhas
                  do rosto no branco
                  arenoso e movente
         já sem  olhos toda
garganta artéria trespassada
                      por um grito
                            de trigo
                                     e entrega

tanto segredo sangrando
   na concha das orelhas
             relva luz saliva
                                sal as órbitas
                       comidas pelo verme do tempo
                         o mensageiro do vento
                                        ela

                                  prendeu entre
                               as pernas antes
que escapássaro todo ainda
imerso no cheiro
                       seus cabelos
                       na boca que gemia um riso mole
                                              um nome um
                                                teorema

o prisma do silêncio decompõe o hiato em partículas de canto
                           e como um animal que pressentisse amor
                                                   te e escolhesse o leito

o coração no escuro esquece
               e desabita o peito

são carlos, novembro de 2011.

outras postagens

Arquivo do blog