sim, doutor. obrigado.

o médico falou que vou morrer de bebida. eu olhei nos olhos dele e disse doutor eu já fui abstêmio eu sei você quando fecha o dia abre uma garrafa de gim e esquece das histórias desses milhares de pobres coitados que você extorque. porque você não sabe as respostas pelas quais cobra. eu já fui santo, doutor, funcionário público casado. já tive viço firmeza honradez. tudo isso abstêmio. só que meu corpo achou um modo de me punir por isso, claro. em contrapartida da minha auréola picareta, me atacou um refluxo uma dor no bucho uma saliva amargosa. comecei a ficar doente doutor, e morria disso não fosse - palavra - o copo. não fosse o álcool eu nem vivo mais tava. liberdade é administrar a própria morte. não, eu não disse isso. só disse sim doutor. obrigado. sim doutor, obrigado. .......................sim....................................................................................................................................................................................doutor............................................................................................................................................................................................................................obrigado....................................................................................................... ele escreve a receita. esguicha álcool num paninho e esfrega nas mãos rapidamente. depois sai do consultório. tenho certeza que vai cheirar farinha. saio meus olhos queimam como num deserto. encontro alguma ordem oculta na posição do prédios da avenida prestes maia. a cidade é mesmo um tipo de animal. um animal sem forma, crescendo pra todos as direções, gemendo ferro retorcido e pedra e vômito. e as caixas de supermercado todas ali com as famílias e os seguranças e os vizinhos das famílias das caixas de supermercado. o bicho vivendo do dejeto e da fina arquitetura desses homenzinhos que correm como galinhas dos carros. se eu morrer de alguma coisa, doutor, vai ser de viver nesta cidade.

outras postagens

Arquivo do blog