galo

quão difícil é um galo

fere a primeira estrela
tramado em sangue e nuvem
como se no fio dourado de seu grito
girasse a roda faminta dos dias.

um galo o que é
senão a linha de um embate
ou as curvas de um fado?

canto sob o sol

tento puxar os cabelos do sol


mas a palavra é mais densa que o vento
         por isso meus versos caem


                      um


                                          a


        um


no opaco abismo


                                  da página



vejo subirem teus ramos
              no vértice da janela;


                                      o gato não dorme:
                                       pedra-se


                                   pois sabe mais a pedra
                                   do que não permanece,


                                                         e a presa
                                                   não suspeita
                                      um predador

inerte.

canto à espera do sol


 te apresento meus braços.
                       estão atados.
                       piso sobre as farpas de um inverno renitente.
                                               e espero o sol.

nada
menos.

                            um buraco;
                            uma órbita sem olho;
                            um crânio sem nome;
                            um nome sem dono;
um sorriso puxado pelas garras da terra:

                                           vejo os cavalos,
                    mares de cavalos negros migram,
            e uma revoada de fuligem e guardanapos velhos
                                             borra um céu sem promessas.

      setembro se foi
                                   como a pétala de cobre que esquecemos sobre as cinzas.
           ou se foi gerânio
           já não é.

poemas ríspidos e rápidos

dá até pra ler cagando.

1 anamnese
[desomenagem às rondas ostensivas tobias aguiar]

parabéns assassinos.
vocês são os heróis de uma crosta doente do mundo.
agradeço por cada gesto de brutalidade,
pois sem eles eu jamais reconheceria
a urgência do meu vômito.

2 pronunciamento
[aos retardatários do anacronismo]

a província federativa do brasil
declara publicamente
seu amor à subserviência
e ao temor de seu
povo.

3 notícia
[dos facínoras em seus gabinetes]

governo americano vingará mortes de crianças na síria
matando crianças na síria.

4 metapoética
[porque uma vez por ano é carnaval]

este poema ri dos que 
tem medo dos que riem.

canto entre os escombros

lágrimas nas mãos espreito
                                teu caudaloso dorso:
                                            caudaloso
                            como o
               som dos
alaúdes.

                     no entorno da tua cintura
     o mundo todo freme
                                          num amálgama de
                        fogo
e finitude.

                    a verve dos tambores te supõe
                    neutra esfinge entre panteras

e enquanto a cidade queima sob o vômito geral embrulhada nas pálidas notícias
como um peixe povoado por defuntos
                     
                       o estrondoso dialeto dos tambores
            distribui seu alfabeto no rastro
luminoso
                 das tuas pernas.

luz do tango [astor piazzola e geraldo carneiro]



o cravo a crise o crime
nas barbas da polícia a malícia
a miss a missa o dia dos mortos
o luxo o lustre a luz negra
do Hotel da lua a lua nua
e crua
o carnaval a corda
o coelho na cartola o cuba libre
o gosto da chacina o sinal a sina
o sangue na anágua
n'água n'água n'água n'água
a lira o franco o marco
a bolsa abriu em baixa
o berço o barco o barão
na corda bamba a muamba
o banquete do mendigo a ruiva
rumba a ruiva rumba
a trama a chama o drama
a desgraça da família o karma
a ilha a trombeta de arcanjo
o apocalipse não é o fim do mundo
o rum o rock o rádio
a cama
o sacramento extremo
o mal de sete pecados
os sete lados do conto do vigário
o terceiro páreo
o trato com o demo
o demo o demo
a fome a forca o frio
a falência do cinema
o poder a pena
o cheiro da morena
a viúva a uva as estrelas do passado
a farsa o furto o foxe o fado
canto secreto o cego
cantava na viola o sequestro
o sestro o bolero na vitrola
o terceiro mundo no fundo
quer é reco reco a porta o pau
o prego
o fogo o jogo o giro
o rastro do vampiro o traço
o tiro o programa de auditório
o circo a sanha
o sal não fica sem troco
o cravo a crise o crime
a desgraça da família o luxo o lustre
a luz do dia dos mortos
o peixe a porta
o pau não fica sem troco
o troco
a fome o fogo o frio
o banquete do mendigo
a muamba o mambo
nas barbas da polícia
a marca a mãe o mal
não fica sem troco

glândula

de contar jabuticabas ficou os dedos rubros, dava um nome cabeludo à sua vulva: Hilé, porque vermelha, inteligível, pura.
- as leis desviam quando ela dança.
eu aceno um suicídio na ponta da luz,
ela me devolve as cortinas pesadas do esquecimento.

ficou uma molécula de Hilé no meu pranto.


grão


"no princípio era o caos..."



esculpir o silêncio num corpo denso de mármore.
encontrar do silêncio a primeira pele.
embeber a pele do silêncio em azeite.
acarinhar com fogo a pele do silêncio.
envolvê-lo num arco de zinco e alumínio.
do silêncio ver emergir a necessidade do pandeiro.
pleno, fluente na língua dos primeiros santos, couro teso e grávido de estrondo.
do casamento dos sons a dança ver-se erguer em barro.
talhadas pelo tempo as bailarinas incorpóreas desenham no céu o trajeto dos planetas
ponteiros de um relógio epiléptico.
presença luscopaca semilágrima do caos secretada o samba é a silhueta silibina recortada contra o fundo de um murmúrio indiferenciado.
passam os carros, estilhaçam-se os copos, riem as damas, os rapazes;
o samba
navalha cujo fio tece um bordão, um trinado,
uma mortalha, surge contra a fuligem burocrática da cidade e macula de esperma e sangue
os relatórios de caixa ao senhor
diretor.
- amor e ódio coabitam a boca da noite. é sábado.
a síncope do samba reverbera no concreto armado.

de barriga para cima, um cão sonha um mundo de comida.

Conversa sobre poesia com o fiscal de rendas - fragmento [Vladimir Maiakovski]

Para nós,
a rima
é um barril.
Barril de dinamite.
O verso, um estopim.
A linha se incendeia
e quando chega ao fim
explode
e a cidade em estrofe
voa em mil.

blues do winterlúdio

[tema]


inverno, são carlos.
           em minhas narinas
                            afluem barcos.


[solo de clarinete]


os carros são jazigos
            perdidos no espasmo.
     as luzes caminham
                  no charco. cigarros
          sonhando lábios
                           apagam entre
         os semáforos.


[solo de trompete]


cigarras tardias cantam
          uma antiga canção
no rádio que sintoniza
          apenas uma estação.
com elas compadeço:
          assovio vivaldi  ao vento
- ao menos o movimento
         que prefacia o verão.


[solo de sax]


sotrunos consumidores
trazem o mar nos sapatos,
no rosto estafado de náufragos
duas opacas opalas.
amargos, apertam tomates
afagam aspargos,
                  e rangem os dentes nas filas,
                  frustados pelas tâmaras:
        afinal como amá-las
        se o perfume está de greve
        e já prepara barricadas?


[solo de bateria]


tu dum tutz (tsc tsc tsc tsc)
tá tu dum tá tu tu tu tu tutz
tz tz tztz tz tztz tz tz tz
trada trá tá tá dum (tsc)
tá dum tz trá dá dum tz
trá dá tá dum tu tu tz
trá dá tá dum tu tz (tsc)
dum dum dum trá
trá
trá
tá-tá-tá
(trrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrra)
tzum!


[solo de baixo]


debaixo da ponte
a noite no homem
espera. casa de placas
de aluga-se: o sonho
da casa própria
é pra quem não
tem mãos, ou
não as sabe. nos
vãos quando aos poucos
se vão as nuvens
e vêm as viaturas,


sobre todas as criaturas
a lua é um
                  luxo para
                                    loucos.


[ritornelo]


inverno, são carlos.
           em minhas narinas
                            afluem barcos.

eu apresento a página branca [arnaldo antunes]

Eu apresento a página branca.


Contra:


Burocratas travestidos de poetas
Sem-graças travestidos de sérios
Anões travestidos de crianças
Complacentes travestidos de justos
Jingles travestidos de rock
Estórias travestidas de cinema
Chatos travestidos de coitados
Passivos travestidos de pacatos
Medo travestido de senso
Censores travestidos de sensores
Palavras travestidas de sentido
Palavras caladas travestidas de silêncio
Obscuros travestidos de complexos
Bois travestidos de touros
Fraquezas travestidas de virtudes
Bagaços travestidos de polpa
Bagos travestidos de cérebros
Celas travestidas de lares
Paisanas travestidos de drogados
Lobos travestidos de cordeiros
Pedantes travestidos de cultos
Egos travestidos de eros
Lerdos travestidos de zen
Burrice travestida de citações
água travestida de chuva
aquário travestido de tevê
água travestida de vinho
água solta apagando o afago do fogo
água mole sem pedra dura
água parada onde estagnam os impulsos
água que turva as lentes e enferruja as lâminas
água morna do bom gosto, do bom senso e das boas intenções
insípida, amorfa, inodora, incolor
água que o comerciante esperto coloca na garrafa para diluir o whisky
água onde não há seca
água onde não há sede
água em abundância
água em excesso
água em palavras.


Eu apresento a página branca.


A árvore sem sementes.


O vidro sem nada na frente.


Contra a água.

outras postagens

Arquivo do blog