escusas

cada folha deste arranjo
pretende ter (pedem
que lhes conceda ter),
na forma manifesta de um risco:


a densidade de uma 

mola contraída

e a extensão de um


cisco.


escrita é cavar na página um fosso tinto de silêncio.


o sumiço do chapéu

a conquista da inércia pelo homem aconteceu depois do tempo. lembro-me perfeitamente: era quase sábado, todos os bares calados. um vulto embriagado cruzou a avenida e avançou com convicção, ainda que houvesse a dúvida do passo seguinte. as buzinas o fazia dançar como um macaco num tortuoso rito. ao chegar do outro lado o homem viu que havia esquecido seu chapéu. deu de ombros e viveu sua vida sem voltar por sobre os passos, aposentou-se no setor imobiliário e morreu de alguma causa (como houvesse causa para o equívoco) natural. o chapéu, no entanto, permaneceu. a fuligem deu lustro ao chapéu, a chuva lhe trouxe musgo. a cidade cresceu em volta do chapéu, pessoas passavam  e diziam: pobre chapéu, tão engraçado. até que debaixo do chapéu fermentou-se o que relevou ser um vulto de macaco. e ele cresceu do concreto onde o chapéu jazia, tão lentamente que ninguém percebeu. no momento de estar completamente pronto, do tamanho de um homem real, retomou seu trôpego périplo do ponto em que fora interrompido.


outras postagens

Arquivo do blog