canto à espera do sol


 te apresento meus braços.
                       estão atados.
                       piso sobre as farpas de um inverno renitente.
                                               e espero o sol.

nada
menos.

                            um buraco;
                            uma órbita sem olho;
                            um crânio sem nome;
                            um nome sem dono;
um sorriso puxado pelas garras da terra:

                                           vejo os cavalos,
                    mares de cavalos negros migram,
            e uma revoada de fuligem e guardanapos velhos
                                             borra um céu sem promessas.

      setembro se foi
                                   como a pétala de cobre que esquecemos sobre as cinzas.
           ou se foi gerânio
           já não é.

outras postagens

Arquivo do blog