canto veloz à cidade

                                        vos saúdo sarjetas imundas,
                            que jamais me abandonaram!

         máquina mordaz que nos encerra, te devolvo a indiferença
                                      com que tu nos acalanta
                                                           em noites de pedra!

                 te ofereço minha bile e meu trinado escasso
                                    e todas as noites te brindo,
                          relicário ignoto de ofícios batidos em papel carbono e
                                                     merda!                
              que meu mudo esgar ecoe por tuas artérias podres
       como um pássaro decepado
                                      para que, levantados do pó,
                 meus irmãos comigo dancem
                                                                      até que não haja senão
          música em todas coisas!
                                        música em todas coisas!

Nenhum comentário:

outras postagens

Arquivo do blog